quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Posição do Corpo no Estilo Livre de natação

Posição do Corpo no Estilo Livre de natação

Posição do Corpo no Estilo Livre de natação

A primeira noção que se nos apresenta, ao nos inteirarmos da posição do corpo do nadador na água é a flutuabilidade que é determinada por fatores descritos em Metodologia da Natação (E. P. U. - 2a edição, 1978: pg. 43).

A segunda parte observada é a posição do corpo em relação à superfície, que nós pretendemos que seja a mais paralela possível ao nível da água.

Em seqüência, verificamos a movimentação do corpo e analisamos como resultante de braços e pernas. Aqui, verificamos os erros e aplicamos correções efetivas que serão apresentadas mais adiante.

Contudo, a posição do corpo na água estará em direta dependência das diferenças individuais, e neste caso, o mais importante é o centro de gravidade que se localiza segundo o biotipo.



Dentro do estudo da posição do corpo, a melhor possível para cada um, há que se observar os movimentos oscilatórios executados, os rolamentos necessários que relacionamos na seguinte ordem:

- A cabeça gira durante o final da ação submersa do braço, para respiração;

- O ombro gira para a colocação mais apropriada da mão em seu primeiro apoio na água;

- Os quadris têm uma ligeira rotação, acompanhando o trabalho do tronco e oferecendo apoio ao movimento das pernas;

- As pernas se voltam ligeiramente para a lateral acompanhando os quadris e, ao mesmo tempo, exercendo pressão com soltura muscular.


Partindo da verdade que, em todos os estilos, o corpo deve apresentar uma posição aerodinâmica dê sua situação horizontal, concluímos que qualquer ação que venha contrariar a forma da referida posição, deverá ser modificada para manter o modelo que desejamos.

A manutenção de um nível de flutuabilidade para o nadador, deve ser a nossa preocupação.

É bem verdade que devemos tentar achar a posição em que o indivíduo progrida com naturalidade e suas ações motrizes não sejam forçadas, para sustentar apenas um princípio estipulado. Desta forma, ao afirmarmos que o nível da água deve manter-se na linha do cabelo, não nos obrigamos a elevar ou baixar a cabeça do nadador para que isto aconteça, o que viria, naturalmente, em prejuízo da posição própria do atleta.

Queremos que o corpo mantenha uma posição, amais horizontal possível e nos esquecemos que lateralmente também deveria haver preocupação, pois o rompimento do plano sagital, pela oscilação lateral, impede a propulsão do nadador, e isto, quase sempre, é devido a mecânicas imperfeitas dos movimentos.


terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Análise Técnica do Estilo Livre de natação

Análise Técnica do Estilo Livre de natação

Quando analisamos um nado, nós o fazemos fixando a ação como um todo, e não pode ser diferente, uma vez que todas as posições e ações se combinam para nos propulsionar na água em um movimento total que chamamos NADAR.

Após vermos o todo da ação é que passamos para as partes e analisamos o que falta ou o que está bom no atleta. Para a dissecação do estilo, nós, primeiramente, veríamos a posição do corpo.

segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O Nado Livre

O Nado Livre

Inicialmente devemos esclarecer que o nome de Estilo Livre advém da liberdade de nadar qualquer estilo nesta prova e que é percorrida em nado Crawl pela maior velocidade impressa por ele em relação aos outros estilos. (1)

(1) Quanto ao significado do Crawl, ver Metodologia da Natação, mesmo autor.
Esboço Histórico "Nado Crawl": pg. 43. E.P.U. EDUSP, 1978, 1ª edição.

Este nado abrange a grande percentagem do aprendizado, uma vez que iniciamos por ele.

Vamos dividir seu estudo por etapas, para que possamos ter completo domínio
sobre um estilo que, por ter o nome de livre, é realmente, deixado "livre" demais,
a ponto de somar grande número de defeitos técnicos que em determinada hora, suprimem a capacidade evolutiva do nadador, deixando muitas dúvidas ao atleta, ao técnico e à família que acompanharam sua curva ascendente e, quando esperam sua maior evolução, constatam uma parada sem melhora e uma conseqüente queda, por motivos que analisaremos no decorrer da exposição técnica dos nados e seu treinamento.

Dividamos pois, nosso estudo nas seguintes etapas:

1- Análise técnica do estilo livre:

a) Posição do corpo.

b) Estudo da propulsão de pernas.

d) Estudo do trabalho de braços.

e) Estudo da respiração.

f) Estudo da coordenação.

g) Estudo das saídas de competição.

h) Análises das viradas de competição.

i) Estudo das viradas

j) Análise da Chegada

2 - Análise da capacidade

a) Velocista

b) Meio Fundista

c) Fundista

3 - Análise de Trabalho

a) Aprendizagem

b) Aperfeiçoamento

c) Treinamento

domingo, 28 de dezembro de 2014

Natação: Teoria e Prática

Natação: Teoria e Prática

Natação Teoria e Prática


Podemos afirmar que este material vem preencher as necessidades de um guia
para os cursos de Educação Física bem como atender a muitos profissionais
da área que atuam em Escolas de natação, clubes, academias e associações.
Vem atender também as expectativas de professores e técnicos,
com orientações básicas e importantes para um melhor desempenho da profissão.

Está incluso o conhecimento detalhado para o ensino dos estilos de competição,
noções sobre treinamento, planejamento, nutrição, motivação e aspectos
de saúde em natação.

Agradecemos ao Prof. David a oportunidade de permitir que compartilhemos
de toda a sua vida de experiências e conhecimentos dedicados à natação.